Categoria: Compotas, Doces e Molhos

Categoria onde reunimos as receitas para a preparação de deliciosas compotas, doces e molhos.

Alhos Confitados

Por Carla Rocha

Confesso que a primeira vez que ouvi falar em Alhos Confitados foi quando a Teresa do HealtyBites os partilhou, mas fiquei logo curiosa. Sempre gostei do sabor a alho, desde que não seja muito intenso e , uso sempre alho quando cozinho, seja fresco, seco ou em pó. Estes Alhos Confitados resultaram numa agradável surpresa. O sabor é muito agradável, o cheiro igual, pois perde aquele cheiro mais ativo e transforma-se num cheiro mais doce. As suas utilizações são vastas, sendo a mais simples e prática, o usar para barrar como se fosse manteiga de alho! O azeite que resulta da cozedura, tem sido uma mais valia para os cozinhados aqui em casa, pois tem um sabor tão distinto que faz a diferença em qualquer prato. Vai ser um ‘must have’ para o Natal, para temperar o Bacalhau! Aproveitei e juntei os Alhos Confitados, ao cabaz de Natal, que este ano, está mais gourmet que nunca.

Lemon Curd

Por Carla Rocha

Esta é uma receita prática e simples de fazer Lemon Curd. O resultado final é um frasco pequeno de Curd, contudo, pode facilmente fazer mais quantidade, adaptando os ingredientes. O processo, serve também de base para outros curds, tais como o curd de maracujá. Eu pessoalmente, gosto de doces com limão e uso o Lemon Curd para vários fins, tais como, comer com panquecas, rechear bolos, comer em iogurtes. Depois de feito, o Curd deve ser guardado em frascos esterilizados e armazenados no frigorifico durante 1 mês. No nosso instagram, encontra um destaque com os vídeos do processo de como fizemos este Lemon Curd.

Doce de Figo e Vinho do Porto

Por Carla Rocha

Este Doce de Figo e Vinho do Porto, é um excelente acompanhamento para queijos e salgados, contudo é igualmente bom para comer simples em tostas ou iogurtes. Por os figos, por si só, serem uma fruta tendencialmente doce, reduzi a quantidade de açúcar em relação ao seu peso e, até porque o açúcar que usei, foi açúcar amarelo, também ele com um travo mais forte. Como vinho do Porto, usei um vinho também ele doce, um Croft Platinum Reserva, um dos meus preferidos e, que pela sua cor e travo, dá sempre um sabor marcante. Em relação ao tipo de figos, este Doce de Figo e Vinho do Porto, foi feito com dois tipos, um verde, os pingo mel e outro escuros, também eles da região do Douro, mas que confesso que não sei o nome. Os vídeos do processo estão no nosso instagram @cozinhaalacarte.

Pickles Agridoce

Por Carla Rocha

Não comece a ler esta receita, pensando que não gosta de pickles, não, mantenha a mente aberta e pense que tem que experimentar, pois são tão fáceis, que é imperdível não os fazer. Se não gostar, o que não acredito, fica com um mimo para oferecer a alguém! A receita não é minha, é da Nini do MyPaleoExperience, que tem sempre receitas maravilhosas, Quando a Nini partilhou estes pickles, fiquei logo com eles nos olhos (a fotografia está linda). Agora depois de ter feito e comido, passaram a ser também um bocadinho meus, pois já não os largo 😊. Apenas fiz uma alteração à receita original, que foi no tipo de mostarda, usei L’Ancienne (com grãos de mostarda), que era a que tinha em casa. Pode usar a que tiver. Vá agora vamos lá à receita para que possa experimentar!

Molho de Francesinha I

Por Carla Rocha

Este molho, embora seja o molho que uso para a francesinha, é também usado noutro tipo de sncaks, como pica-pau ou cachorros e pode ser usado também, noutro tipo de alimentos, conforme o gosto de cada um. Há inclusive um café no Porto que serve Bola de Carne com Molho de Francesinha. O que eu costumo fazer, é fazê-lo em maior quantidade quando o faço, para ter sempre reserva guardado no frigorifico, dentro de frascos.

Compota de Cebola Roxa com Vinho do Porto

Por Carla Rocha

À semelhança do Doce de Pimento, cuja receita já está aqui na nossa cozinha, a compota de cebola roxa é indicada para comer com salgados, queijo em especial. Eu adoro comê-la com queijo chèvre. A conjunção de sabores é algo do outro mundo, mas claro, que como em tudo, não irá agradar a todos, pois esta compota tem um travo agridoce.

Rabanadas com Calda de Vinho do Porto e Mel

Por Carla Rocha

Esta é, de entre todas as sobremesas que costumo fazer no Natal, a que reúne maior consenso e, claro, a que desaparece mais depressa, não ficando nada para contar história. A calda dá um sabor distinto às rabanadas. Por norma faço-a com os pinhões e as passas sem caroço, mas há quem não goste destes e retire, eu gosto! O procedimento é igual ao fazer rabanadas simples, das que se passam por açúcar e canela, apenas diverge no facto destas serem regadas com a calda.

Orangettes

Por Carla Rocha

Desde há alguns anos atrás, que as orangettes passaram a fazer parte das guloseimas de Natal em nossa casa. Não posso dizer que sejam fáceis de fazer, porque não o são, não pela dificuldade técnica, mas sim pelo tempo e paciência que envolvem. É um processo moroso até chegarmos ao ponto de nos deliciarmos com esta combinação infalível, laranja e chocolate, uma das minhas preferidas!

Marmelada Tradicional

Por Carla Rocha

Esta receita, aqui como a apresentamos é a da marmelada tradicional, aquela que se faz no tacho, mexendo durante muito tempo até ganhar o ponto desejado para que depois de secar, tenha consistência para cortar em fatias. Na receita que fazemos, não descascamos os marmelos, apenas lhes tiramos o caroço, como tal, o resultado é uma marmelada mais avermelhada. Quanto às quantidades, apresentamos a base, isto é, a quantidade de açúcar em relação ao peso dos marmelos. Claro está, que fizemos muito mais quantidade, sendo que este ano de 2019, fizemos um total de 28,5Kg de marmelada!

Doce de Tomate II

Por Carla Rocha

Este doce de tomate difere do já existente aqui na nossa cozinha, pelo tipo de açúcar com que é feito, ao invés de açúcar branco, é feito com açúcar amarelo. O uso deste tipo de açúcar, uma vez que confere um sabor mais forte e doce, faz com que a quantidade de açúcar, em relação à quantidade do tomate, seja menor. Quanto ao sabor, posso dizer que adorei! Fica com um sabor mais encorpado, mais marcante. Na descrição da receita não vou colocar as quantidades exatas, uma vez que a receita é feita por proporções, isto é, pesa-se o tomate já arranjado e usa-se metade do peso do tomate, de açúcar amarelo. Obrigada Teresinha pelas dicas!