Categoria: Entradas

Categoria onde reunimos as receitas para preparação de fantásticas Entradas

Manteigas Gourmet

Por Carla Rocha

Não sei como é aí em casa, mas aqui não resistimos a manteigas com sabor, por isso fiz estas Manteigas Gourmet. Não lhe trago hoje uma receita, mas sim três receitas de Manteiga Gourmet, que pode replicar, ou usar como inspiração para criações suas. São deliciosas barradas no pão, mas são igualmente deliciosas para enriquecer pratos de massa, por exemplo. Das três não consigo decidir qual gosto mais: Alho Assado e Tomilho, Tomate Seco e Manjericão ou Chouriço de Porco Preto. É caso para dizer, todas! Espero que goste da sugestão, que é bem fácil de executar e que vai surpreender todos! Assista ao vídeo para ver com as fiz.

Ceviche de Salmão com Manga e Abacate

Por Carla Rocha

O ceviche entrou na minha vida e tem tomado lugar entre os meus pratos preferidos. Este Ceviche de Salmão com Manga e Abacate que aqui hoje partilho, tem sido um dos meus preferidos e repetido bastantes vezes cá por casa, seja como refeição principal ou como entrada numa refeição entre amigos. É uma receita fácil e rápida de fazer e que nunca desilude!

Queijo Feta Cremoso

Por Carla Rocha

Se houvesse prémio para o queijo mais popular de 2020/2021 seria entregue ao queijo feta com toda a certeza. Depois de termos assistido a uma invasão de posts da famosa receita do Tik Tok de massa com queijo Feta, eis que chegou a entrada mais badalada para este verão, um delicioso Queijo Feta Cremoso, aqui acompanhado com duas coisas que tanto gosto, Pimentos Assados e Tomatinhos Cherry na Frigideira. A receita que vai marcar a diferença na sua mesa!

Folar de Carnes

Por Carla Rocha

Típico da zona de Trás-os-Montes, o Folar de Carnes, é uma presença obrigatória na mesa da Páscoa. Este ano, não estava a pensar fazer, mas a consciência, não deixou passar. Nos últimos anos temos tido sempre folar salgado na nossa mesa. Este ano, não estando programado, usei os enchidos que tinha no frigorífico, pelo que não o vou categorizar como sendo de uma terra em particular. A massa, fiz a que já aqui partilhado no Folar de Valpaços, tendo reduzido a quantia para cerca de metade. O mais engraçado é que estava eu a fazer a massa, quando comecei a ver na televisão uma reportagem sobre este tipo de folar e as suas tradições, o que me deixou ainda com mais vontade de o fazer, pois defendo vigorosamente que temos que manter e perpetuar as nossas tradições, a nossa cultura. O que eu faço é que estou a construir as minhas tradições, as da minha família, que um dia será a herança preciosa da minha filha!

Chips de Kale

Por Carla Rocha

A primeira vez que vi estas Chips de Kale foi num episódio das Kardashians, em que elas as comiam como snack, o que me deixou logo bastante curiosa. Não sendo muito fácil de encontrar Kale, fui deixando andar, até que descobri que na Makro costumam ter. Foi lá que passei a comprar. Nos últimos tempos já tenho visto no Jumbo e até no Aldi à venda. Os Chips de Kale são fáceis de fazer e posso dizer, que aqui em casa todos somos fãs. Têm uma textura bem crocante e o tempero é feito de acordo com o que gostamos. É daqueles snacks que podemos comer sem culpa! O único senão é que não aguentam muito tempo depois de feitas, uma vez que não devem ser fechadas pois tendem a ficar moles. O melhor é mesmo fazer e comer durante o dia!

Pizza Esbelta

Por Carla Rocha

Esta é uma deliciosa pizza fria, com uma base de espelta integral que foi cozida em cima do fogão. Esta Pizza Espelta, surgiu num almoço em que fiquei responsável pelas entradas, onde me lembrei de servir uma salada de forma diferente. Ora em vez de a servir numa taça, porque não fazer umas bases e comermos como se fosse uma pizza? foi isso mesmo que aconteceu e todos adoraram. O nome, saiu de uma brincadeira entre todos, fazendo alusão ao facto de a base ser de espelta e o facto de ser uma pizza saudável. Tal como eu fiz, pode fazer as bases com antecedência e depois montar as pizzas mais tarde, sendo que pode usar os ingredientes e fazer as combinações que mais gostar! Nos tempos de preparação não coloquei o tempo de repouso da massa para levedar, que anda à volta de 1 hora.

Tapa de Figos com Presunto e Queijo Creme

Por Carla Rocha

Há combinações que resultam e esta Tapa de Figos com Presunto e Queijo Creme é uma vencedora. Muito fácil e rápida de preparar, serve tanto para uma refeição leve, como de uma excelente entrada. Para atingir a excelência há pequenos detalhes que fazem a diferença. O pão deve ser regado com um fio de azeite e torrado nos dois lados, sobre um grelhador de fogão e depois arrefecido. Assim terá um pão crocante, que depois irá barrar com o seu queijo de eleição. Pode ser de cabra, camembert, brie, ou como eu usei, um queijo creme. O presunto e dos figos, devem ser de boa qualidade, sendo que os figos devem estar firmes. Para terminar, o creme de vinagre balsâmico dá-lhe aquele travo agridoce que deixa qualquer a ansiar pela próxima sentada. É isto mesmo, foi como eu fiquei!

Biqueirões Albardados

Por Carla Rocha

Sabem aqueles pratos que sempre existiram em casa dos pais e que na altura não gostávamos, mas que quando fomos viver sozinhos e para longe deixámos de ter acesso, pelo que se tornaram alvo de desejo absurdo? pois bem, estes Biqueirões Albardados, estão na minha lista de pratos de desejo! É um prato típico de Olhão e a maior dificuldade está no arranjar do peixe e foi isto que aprendi desta vez. A minha mãe esteve a ensinar-me a tirar a espinha ao dito para que a partir de agora, os possa preparar em casa. Estes Biqueirões Albardados, são uns simples filetes, temperados com sal, limão, alho e pimenta branca que depois de estarem pelo menos 24 horas a marinar, são passados pela farinha e pelo ovo. Aqui em casa, não o fazemos, mas pode-se juntar ao ovo, cebola e salsa picada. Estes Biqueirões Albardados tanto servem como componente de um prato principal, acompanhado por um arroz malandro de tomate, como de entrada ou petisco. Aqui em casa gostamos de os comer frios, no pão!

Pizza Fria de Salmão Fumado em base de Espelta

Por Carla Rocha

Pizza de Salmão?? sim é isso mesmo, uma pizza, com base fria, onde os toppings, são tudo aquilo que gosto de comer com salmão fumado: Queijo creme e abacate. Só ficou a faltar a rúcula, pois não tinha em casa. Para a base, fiz uma receita de massa com farinha de espelta, que ficou bem saborosa e pode ser usada para outros fins. Claro que, para que na hora de preparar as pizzas, estivesse fria, fi-la com antecedência para ter tempo de arrefecer. Experimentem, fica uma combinação apetitosa e fresca!

Folar de Valpaços

Por Carla Rocha

Desde que vim morar para o norte do país que adotei este folar na Páscoa, não fosse eu fã assumida de enchidos 😉. A massa é uma massa fofa, que cresce bastante, alternada com camadas de carnes e enchidos fumDesde que vim morar para o norte do país que adotei este folar na Páscoa, não fosse eu fã assumida de enchidos 😉. A massa é uma massa fofa, que cresce bastante, alternada com camadas de carnes e enchidos fumados, onde o presunto e o salpicão assumem o papel principal. Quando o faço em Olhão, coloco fatias finas de toucinho gordo. Aqui na Maia como não o tenho, coloquei barriga fumada, que por sinal adoro. As quantidades que aqui indico dão para dois folares médios, ou um grande, sendo que o grande, aconselho a fazer como o tradicional, isto é, abrir a massa, espalhar as carnes por cima e depois enrolar. Vai depois a cozer num tabuleiro de barro ou pirex, cujas paredes não devem ter mais de 8cm de altura, para que o folar cresça e abra um pouco para os lados. Eu optei por fazer os meus em separado, isto é, 500g de farinha e respetivos ingredientes, de cada vez, para que pudesse amassar tudo na batedeira.ados, onde o presunto e o salpicão assumem o papel principal. Quando o faço em Olhão, coloco fatias finas de toucinho gordo. Aqui na Maia como não o tenho, coloquei barriga fumada, que por sinal adoro. As quantidades que aqui indico dão para dois folares médios, ou um grande, sendo que o grande, aconselho a fazer como o tradicional, isto é, abrir a massa, espalhar as carnes por cima e depois enrolar. Vai depois a cozer num tabuleiro de barro ou pirex, cujas paredes não devem ter mais de 8cm de altura, para que o folar cresça e abra um pouco para os lados. Eu optei por fazer os meus em separado, isto é, 500g de farinha e respetivos ingredientes, de cada vez, para que pudesse amassar tudo na batedeira.