Categoria: Padaria

Categoria onde reunimos as receitas para preparação da nossa oferta para Padaria

Pãezinhos de Pulled Pork

Por Carla Rocha

Estes Pãezinhos de Pulled Pork, são sem dúvida uma receita vencerdora, a repetir muitas vezes. Na hora, quentinhos, são de comer e chorar por mais, mas posso dizer que no dia seguinte, são também bem saborosos. Ficam molhadinhos e parecem frescos. Se lhe sobrar Pulled Pork, ou mesmo se tiver de fazer de propósito, vale bem a pena fazer estes pãezinhos de pulled pork, vai ver que todos vão adorar! Nos tempos da receita, não estou a contar com o tempo de levedação da massa, que é uma massa sem amassar que levou 5 horas a levedar. Nem tampouco com o tempo de cozer o Pulled Pork, que são as 8 horas. Apenas estou a contar com o tempo de rechear os pãezinhos e de os cozer no forno.

Pão com Chouriço

Por Carla Rocha

Eu não consigo resistir a um Pão com Chouriço acabado de fazer, transporta-me aos tempos de feira, em que a visita à banca do Pão com Chouriço era obrigatória. Agora no recolhimento em casa, a solução é mesmo fazê-lo e degostá-lo!

Folar de Carnes

Por Carla Rocha

Típico da zona de Trás-os-Montes, o Folar de Carnes, é uma presença obrigatória na mesa da Páscoa. Este ano, não estava a pensar fazer, mas a consciência, não deixou passar. Nos últimos anos temos tido sempre folar salgado na nossa mesa. Este ano, não estando programado, usei os enchidos que tinha no frigorífico, pelo que não o vou categorizar como sendo de uma terra em particular. A massa, fiz a que já aqui partilhado no Folar de Valpaços, tendo reduzido a quantia para cerca de metade. O mais engraçado é que estava eu a fazer a massa, quando comecei a ver na televisão uma reportagem sobre este tipo de folar e as suas tradições, o que me deixou ainda com mais vontade de o fazer, pois defendo vigorosamente que temos que manter e perpetuar as nossas tradições, a nossa cultura. O que eu faço é que estou a construir as minhas tradições, as da minha família, que um dia será a herança preciosa da minha filha!

Regueifa Doce

Por Carla Rocha

A Regueifa Doce é uma receita típica do norte de Portugal, que se faz na altura da Páscoa. Em algumas aldeias, há a tradição dos padrinhos oferecerem a regueifa doce aos afilhados no domingo de Páscoa. Esta Regueifa Doce faz parte das memórias de Páscoa do Francisco e até hoje é o seu doce preferido da época. A receita desta Regueifa Doce foi-me passada por uma prima do Francisco, a Fernanda, a especialista da regueifa (e não só) da família. Eu até vir morar para a Maia desconhecia esta iguaria, mas agora faz parte da nossa mesa de Domingo de Páscoa. Dá algum trabalho a fazer, pois a massa não é muito fácil de trabalhar, pelo que na hora de amassar na bancada, é necessário fazer uso de farinha, enquanto se amassa e depois se molda a regueifa. O resultado final, vale bem a pena o trabalho, pois é um pãozinho doce, bem fofo, que aconselho vivamente a experimentar!

Bao

Por Carla Rocha

Já se sabe que gosto de viajar em casa por sabores de outras culturas. Desta vez fizemos uma mistura entre Taiwan e EUA. Bao recheado com Pulled Pork. A primeira vez que os comi foi num restaurante asiático aqui no Porto, o Boa Bao, fiquei logo fã! O Bao é um pãozinho cozido a vapor, conhecido pelo seu aspeto branco e suave. Pode ser usado para rechear com diferentes recheios, sendo o mais conhecido, o recheado com barriga de porco. Neste que aqui lhe apresento, usei Pulled Pork que fiz na slow cooker durante 8 horas, cuja receita já está aqui site e tem sido um sucesso. A maior dificuldade para fazer os Bao’s, poderá surgir na fase de os cozer a vapor, sendo a forma tradicional, cozinhá-los numa vaporeira de Bambu. Como aqui em casa não existe, usei a Varoma da Bimby para o efeito, tendo obtido um excelente resultado final. Podia inclusive ter feito na Bimby a massa, mas por opção minha, as massas de pão, faço-as sempre na batedeira, contudo deixo-lhe também a versão da massa feita na bimby. Agora com tudo disponível, só tem mesmo que os fazer e deliciar-se, tendo em atenção os tempos de pausa para levedação!

Folar de Olhão

Por Carla Rocha

O Folar de Olhão é o folar que me acompanha desde sempre! Cresci a ver a minha avó Juliana a fazer folares na Páscoa, pensando eu que era tão fácil, pois ela fazia tudo parecer tão fácil, amassava à mão folares para todos nós. Não querendo mentir, a minha avó fazia mais de 10 folares de cada vez, todos de tamanhos diferentes, cozidos em tachos de alumínio. Na hora de os cozer, lá íamos nós com os tachos na mala do carro, para os cozer nos fornos das fábricas do pão de Olhão. Uns anos íamos à Aliança, noutros aos ‘Mau-maus’. Dependia de quem ia ter os fornos ligados e disponibilidade para nos receber. Só depois de ‘crescida’ comecei a dar valor a tudo isto, ao que marca a minha história de vida. Coisas que eram tão tidas como minhas, que na altura não lhes dava a devida importância. Ontem fiz três folares. Amassei-os na batedeira, cozi-os no forno aqui de casa, tudo muito diferente, mas ajustado à realidade dos nossos dias e que espero que daqui a uns anos, a minha filha dê o devido valor. O Folar de Olhão, para quem não conhece, é um folar doce, feito em camadas, com uma mistura ainda mais doce pelo meio. Em 2019 eleito como uma das 7 Maravilhas Doces de Portugal. Existem diversas receitas, a que aqui hoje vos trago, é a receita como a minha avó o fazia. Quando à forma, continuo a fazer a forma tradicional, embora nos últimos anos, tenha visto que começaram a fazer o folar enrolado, são opções que respeito e até gosto, tanto que fiz um deles assim. Creio que na cozinha há sempre lugar para todos, sempre com respeito mútuo.

Flor de Pão

Por Carla Rocha

Fazer pão é um hábito que adquiri há alguns anos e que gosto bastante. Seja pão com fermentação natural ou estes mais simples que não requerem que se amasse a massa, apenas que se tenha tempo para esperar a levedação. Esta Flor de Pão, é feita com massa de pão se amassar, repousada durante 14 horas, mas que pode repousar entre as 8 e as 24 horas. No dia é só moldar as bolinhas e levar a cozer. Reportei todo o processo em vídeo, que está num destaque próprio no nosso Instagram. Posso dizer que já foi feito por várias pessoas, algumas sem experiência em fazer pão, por isso, toda a meter massa a levedar para ter a sua Flor de Pão! Leia bem a descrição da receita para ter atenção aos tempos de repouso.

Panqueca Holandesa | Dutch Pancake

Por Carla Rocha

Esta Panqueca Holandesa, Dutch Pancake no seu nome original, é uma panqueca bem saborosa, feita no forno. Trata-se de uma receita simples, algo demorada, devido aos tempos de repouso. Para a fazer, é necessário ter uma frigideira que possa ir ao forno, onde a panqueca coze. A que é tradicional é uma de ferro, que foi a que usei, mas que não seja isso que a demove de experimentar. a minha tem 26 cm de diametro. Faça numa que possa ir ao forno, de outro material. Em último recurso, faça numa forma de tarte! O importante é fazer. Como toppings, use o que mais gosta: fruta, doces, etc. e termine polvilhando-a com açúcar em pó. Por aqui adoramos, já ganhou um lugar no nosso ranking de panquecas preferidas!

Arepas de Queijo

Por Carla Rocha

As Arepas são típicas da Venezuela, que foi onde o Francisco cresceu dos 3 aos 18 anos. Tal como outros pratos que faço, as Arepas tornaram-se presentes na nossa alimentação. Estas são Arepas de Queijo, que levam queijo na massa e no recheio. São bem fáceis e rápidas de fazer, uma vez que estes ‘pãezinhos’ não precisam de levedar. A única dificuldade poderá passar por encontrar a farinha de milho cozido, sendo que nos hipermercados como o Jumbo ou Continente, costumam ter sempre disponível da marca original a PAN. Na Mercadona, também têm de marca própria. Sendo as Arepas exclusivamente de milho, são sem glúten, sendo uma boa opção para doentes celíacos. Estas que aqui vos apresento, conforme já escrevi acima, têm queijo na massa, são bem saborosas. Pode usar qualquer tipo de queijo que goste, tendo em atenção, que quanto mais forte for o queijo, mais forte será o sabor. Um ponto a ter em consideração é usar um queijo que derreta bem como mozarela, flamengo, edam, emmenthal, etc. pois só assim iremos ter umas Arepas de Queijo, daquelas que criam fios de queijo derretido. Termino dizendo que aqui em casa se comem arepas em qualquer refeição, seja como entrada, como prato principal, acompanhadas por exemplo de uma salada, ou até como lanche. O que importa é haver e comer, diz o Francisco. Os vídeo de como as fiz, podem vê-lo no destaque próprio que criei no nosso instagram @cozinhaalacarte.Espero que gostem da sugestão!

Broa de Milho, Trigo e Centeio

Por Carla Rocha

Esta Broa foi feita juntamente com a Broa com Chouriço, a massa é a mesma, apenas não lhe adicionei chouriço. Fica bem saborosa e com uma crosta super crocante. A minha mãe prefere-a assim, sem o chouriço, diz que lhe sabe mais a broa, já a Joana, sem chouriço não lhe pega. Já eu gosto de qualquer forma. Há que agradar a todos!