Categoria: Padaria

Categoria onde reunimos as receitas para preparação da nossa oferta para Padaria

Regueifa Doce

Por Carla Rocha

A Regueifa Doce é uma receita típica do norte de Portugal, que se faz na altura da Páscoa. Em algumas aldeias, há a tradição dos padrinhos oferecerem a regueifa doce aos afilhados no domingo de Páscoa. Esta Regueifa Doce faz parte das memórias de Páscoa do Francisco e até hoje é o seu doce preferido da época. A receita desta Regueifa Doce foi-me passada por uma prima do Francisco, a Fernanda, a especialista da regueifa (e não só) da família. Eu até vir morar para a Maia desconhecia esta iguaria, mas agora faz parte da nossa mesa de Domingo de Páscoa. Dá algum trabalho a fazer, pois a massa não é muito fácil de trabalhar, pelo que na hora de amassar na bancada, é necessário fazer uso de farinha, enquanto se amassa e depois se molda a regueifa. O resultado final, vale bem a pena o trabalho, pois é um pãozinho doce, bem fofo, que aconselho vivamente a experimentar!

Bao

Por Carla Rocha

Já se sabe que gosto de viajar em casa por sabores de outras culturas. Desta vez fizemos uma mistura entre Taiwan e EUA. Bao recheado com Pulled Pork. A primeira vez que os comi foi num restaurante asiático aqui no Porto, o Boa Bao, fiquei logo fã! O Bao é um pãozinho cozido a vapor, conhecido pelo seu aspeto branco e suave. Pode ser usado para rechear com diferentes recheios, sendo o mais conhecido, o recheado com barriga de porco. Neste que aqui lhe apresento, usei Pulled Pork que fiz na slow cooker durante 8 horas, cuja receita já está aqui site e tem sido um sucesso. A maior dificuldade para fazer os Bao’s, poderá surgir na fase de os cozer a vapor, sendo a forma tradicional, cozinhá-los numa vaporeira de Bambu. Como aqui em casa não existe, usei a Varoma da Bimby para o efeito, tendo obtido um excelente resultado final. Podia inclusive ter feito na Bimby a massa, mas por opção minha, as massas de pão, faço-as sempre na batedeira, contudo deixo-lhe também a versão da massa feita na bimby. Agora com tudo disponível, só tem mesmo que os fazer e deliciar-se, tendo em atenção os tempos de pausa para levedação!

Folar de Olhão

Por Carla Rocha

O Folar de Olhão é o folar que me acompanha desde sempre! Cresci a ver a minha avó Juliana a fazer folares na Páscoa, pensando eu que era tão fácil, pois ela fazia tudo parecer tão fácil, amassava à mão folares para todos nós. Não querendo mentir, a minha avó fazia mais de 10 folares de cada vez, todos de tamanhos diferentes, cozidos em tachos de alumínio. Na hora de os cozer, lá íamos nós com os tachos na mala do carro, para os cozer nos fornos das fábricas do pão de Olhão. Uns anos íamos à Aliança, noutros aos ‘Mau-maus’. Dependia de quem ia ter os fornos ligados e disponibilidade para nos receber. Só depois de ‘crescida’ comecei a dar valor a tudo isto, ao que marca a minha história de vida. Coisas que eram tão tidas como minhas, que na altura não lhes dava a devida importância. Ontem fiz três folares. Amassei-os na batedeira, cozi-os no forno aqui de casa, tudo muito diferente, mas ajustado à realidade dos nossos dias e que espero que daqui a uns anos, a minha filha dê o devido valor. O Folar de Olhão, para quem não conhece, é um folar doce, feito em camadas, com uma mistura ainda mais doce pelo meio. Em 2019 eleito como uma das 7 Maravilhas Doces de Portugal. Existem diversas receitas, a que aqui hoje vos trago, é a receita como a minha avó o fazia. Quando à forma, continuo a fazer a forma tradicional, embora nos últimos anos, tenha visto que começaram a fazer o folar enrolado, são opções que respeito e até gosto, tanto que fiz um deles assim. Creio que na cozinha há sempre lugar para todos, sempre com respeito mútuo.

Flor de Pão

Por Carla Rocha

Fazer pão é um hábito que adquiri há alguns anos e que gosto bastante. Seja pão com fermentação natural ou estes mais simples que não requerem que se amasse a massa, apenas que se tenha tempo para esperar a levedação. Esta Flor de Pão, é feita com massa de pão se amassar, repousada durante 14 horas, mas que pode repousar entre as 8 e as 24 horas. No dia é só moldar as bolinhas e levar a cozer. Reportei todo o processo em vídeo, que está num destaque próprio no nosso Instagram. Posso dizer que já foi feito por várias pessoas, algumas sem experiência em fazer pão, por isso, toda a meter massa a levedar para ter a sua Flor de Pão! Leia bem a descrição da receita para ter atenção aos tempos de repouso.