Método de Preparação: Forno

Receitas cujo método de confecção é no forno

Pão com Chouriço

Por Carla Rocha

Eu não consigo resistir a um Pão com Chouriço acabado de fazer, transporta-me aos tempos de feira, em que a visita à banca do Pão com Chouriço era obrigatória. Agora no recolhimento em casa, a solução é mesmo fazê-lo e degostá-lo!

Pão de Ló Húmido de Chocolate

Por Carla Rocha

O Pão de Ló Húmido é o preferido da Joana, sendo de chocolate, ainda mais, pois junta dois coisas que ela adora. Este Pão de Ló Húmido de Chocolate é fácil e rápido de fazer e faz as delícias dos mais velhos. O problema é que acaba bem depressa!

Folar de Carnes

Por Carla Rocha

Típico da zona de Trás-os-Montes, o Folar de Carnes, é uma presença obrigatória na mesa da Páscoa. Este ano, não estava a pensar fazer, mas a consciência, não deixou passar. Nos últimos anos temos tido sempre folar salgado na nossa mesa. Este ano, não estando programado, usei os enchidos que tinha no frigorífico, pelo que não o vou categorizar como sendo de uma terra em particular. A massa, fiz a que já aqui partilhado no Folar de Valpaços, tendo reduzido a quantia para cerca de metade. O mais engraçado é que estava eu a fazer a massa, quando comecei a ver na televisão uma reportagem sobre este tipo de folar e as suas tradições, o que me deixou ainda com mais vontade de o fazer, pois defendo vigorosamente que temos que manter e perpetuar as nossas tradições, a nossa cultura. O que eu faço é que estou a construir as minhas tradições, as da minha família, que um dia será a herança preciosa da minha filha!

Pudim Abade de Priscos

Por Carla Rocha

Uma receita do século XIX que ganha cada vez mais adeptos, este Pudim Abade de Priscos é sem dúvida um ex-libris da Doçaria Conventual Portuguesa. Um pudim que tem tanto de saboroso como de calórico, que não sendo para comer todas as semanas, é indispensável na mesa dos portugueses nas ocasiões mais especiais como a Páscoa ou o Natal. Não é uma receita fácil de fazer, uma vez que tem alguma técnica, contudo vou tentar desmistificar esta receita, tornando-a acessível a todos. No instagram deixei os vídeos de todo o processo, para que não perca cada detalhe! Agora só tem que decidir fazer e deliciar-se com este Pudim Abade de Priscos.

Regueifa Doce

Por Carla Rocha

A Regueifa Doce é uma receita típica do norte de Portugal, que se faz na altura da Páscoa. Em algumas aldeias, há a tradição dos padrinhos oferecerem a regueifa doce aos afilhados no domingo de Páscoa. Esta Regueifa Doce faz parte das memórias de Páscoa do Francisco e até hoje é o seu doce preferido da época. A receita desta Regueifa Doce foi-me passada por uma prima do Francisco, a Fernanda, a especialista da regueifa (e não só) da família. Eu até vir morar para a Maia desconhecia esta iguaria, mas agora faz parte da nossa mesa de Domingo de Páscoa. Dá algum trabalho a fazer, pois a massa não é muito fácil de trabalhar, pelo que na hora de amassar na bancada, é necessário fazer uso de farinha, enquanto se amassa e depois se molda a regueifa. O resultado final, vale bem a pena o trabalho, pois é um pãozinho doce, bem fofo, que aconselho vivamente a experimentar!

Folar de Olhão

Por Carla Rocha

O Folar de Olhão é o folar que me acompanha desde sempre! Cresci a ver a minha avó Juliana a fazer folares na Páscoa, pensando eu que era tão fácil, pois ela fazia tudo parecer tão fácil, amassava à mão folares para todos nós. Não querendo mentir, a minha avó fazia mais de 10 folares de cada vez, todos de tamanhos diferentes, cozidos em tachos de alumínio. Na hora de os cozer, lá íamos nós com os tachos na mala do carro, para os cozer nos fornos das fábricas do pão de Olhão. Uns anos íamos à Aliança, noutros aos ‘Mau-maus’. Dependia de quem ia ter os fornos ligados e disponibilidade para nos receber. Só depois de ‘crescida’ comecei a dar valor a tudo isto, ao que marca a minha história de vida. Coisas que eram tão tidas como minhas, que na altura não lhes dava a devida importância. Ontem fiz três folares. Amassei-os na batedeira, cozi-os no forno aqui de casa, tudo muito diferente, mas ajustado à realidade dos nossos dias e que espero que daqui a uns anos, a minha filha dê o devido valor. O Folar de Olhão, para quem não conhece, é um folar doce, feito em camadas, com uma mistura ainda mais doce pelo meio. Em 2019 eleito como uma das 7 Maravilhas Doces de Portugal. Existem diversas receitas, a que aqui hoje vos trago, é a receita como a minha avó o fazia. Quando à forma, continuo a fazer a forma tradicional, embora nos últimos anos, tenha visto que começaram a fazer o folar enrolado, são opções que respeito e até gosto, tanto que fiz um deles assim. Creio que na cozinha há sempre lugar para todos, sempre com respeito mútuo.

Chips de Kale

Por Carla Rocha

A primeira vez que vi estas Chips de Kale foi num episódio das Kardashians, em que elas as comiam como snack, o que me deixou logo bastante curiosa. Não sendo muito fácil de encontrar Kale, fui deixando andar, até que descobri que na Makro costumam ter. Foi lá que passei a comprar. Nos últimos tempos já tenho visto no Jumbo e até no Aldi à venda. Os Chips de Kale são fáceis de fazer e posso dizer, que aqui em casa todos somos fãs. Têm uma textura bem crocante e o tempero é feito de acordo com o que gostamos. É daqueles snacks que podemos comer sem culpa! O único senão é que não aguentam muito tempo depois de feitas, uma vez que não devem ser fechadas pois tendem a ficar moles. O melhor é mesmo fazer e comer durante o dia!

Tarte Pastel de Nata

Por Carla Rocha

Creio que o Pastel de Natal é o bolo que nos simboliza, a nós portugueses e, no meu caso, o meu bolo de pastelaria preferido. Andava com saudades de o comer, pelo que saiu esta Tarte Pastel de Nata, que não sendo em doses individuais, deu para matar a saudade! Estes novos tempos que vivemos têm disto, de nos fazer recordar e dar valor a pequenas coisas do dia a dia, neste caso, algo tão simples como ir a uma pastelaria comer um Pastel de Nata. A receita que aqui lhe apresento foi feita em Tarte, mas pode, caso o queira, reproduzi-la em doses individuais de Pastel de Nata. Conte com alguns tempos de espera quando decidir fazer esta tarte, pois o creme deve ser feito com a antecedência necessária para que arrefeça antes de ser colocado sobre a massa. Esta Tarte Pastel de Nata é uma presença obrigatória em festas e reuniões familiares. Se não experimentou, agora tem mesmo que experimentar fazê-la!

Flor de Pão

Por Carla Rocha

Fazer pão é um hábito que adquiri há alguns anos e que gosto bastante. Seja pão com fermentação natural ou estes mais simples que não requerem que se amasse a massa, apenas que se tenha tempo para esperar a levedação. Esta Flor de Pão, é feita com massa de pão se amassar, repousada durante 14 horas, mas que pode repousar entre as 8 e as 24 horas. No dia é só moldar as bolinhas e levar a cozer. Reportei todo o processo em vídeo, que está num destaque próprio no nosso Instagram. Posso dizer que já foi feito por várias pessoas, algumas sem experiência em fazer pão, por isso, toda a meter massa a levedar para ter a sua Flor de Pão! Leia bem a descrição da receita para ter atenção aos tempos de repouso.

Peitos de Frango Recheados com Bimis, Bacon e Queijo Coalho

Por Carla Rocha

Esta receita surgiu pela necessidade de usar os Bimis. Queria usá-los de uma forma diferente que não apenas cozidos e que bem que ficaram… estes Peitos de Frango Recheados com Bimis, Bacon e Queijo Coalho resultaram deveras deliciosos. A junção dos ingredientes ficou muito agradável, O queijo usado, o coalho, não derrete completamente, uma vez que é um queijo próprio para grelhar. O bacon, como sempre não desilude. O resultado final, uma carne suculenta e saborosa.